quarta-feira, 15 de março de 2017

Na Netflix: The Ultimate Beastmaster Brasil


Hey garota!

O carnaval aqui em casa foi bastante animado: da cama para a cozinha, da cozinha para a cama, muitas horas na frente da TV assistindo Netflix. Daí marido resolveu assistir à esse lançamento, o Ultimate Beastmaster. Eu estranhei no começo e achei que iria odiar (marido tem um histórico péssimo de escolhas de programas), mas acabei super empolgada, torcendo e gritando feito uma louca pelas madrugadas.

Com produção de Sylvester Stallone e Dave Broome (O Grande Perdedor, Quem Perda Ganha), a Netflix anuncia "Ultimate Beastmaster", sua série de "competição esportiva". (Filmes Netflix)


Trata-se de uma competição entre seis países: Brasil, Coreia do Sul, EUA, México, Alemanha e Japão. A apresentação geral do programa está a cargo do Stallone, mas cada país tem seus próprios apresentadores - ou melhor, comentaristas - que vão narrando as atividades, explicando as provas e, claro, torcendo por seus compatriotas.


Para o Brasil, foram escolhidos a lenda do MMA, Anderson Silva, e o comediante Rafinha Bastos. Mas não torça o seu nariz para esses dois, cara leitora. Foi um erro que cometi. Achei que não ia dar certo, visto que o Anderson é um atleta e o Rafinha Bastos um conhecido chato (sem galochas!). Mas quebrei a minha cara feio. Fui conquistada pela zueira (BR huehue), piadinhas infames e pela união desses dois contra os competidores e apresentadores dos EUA e Alemanha.


Não pude odiar com total força os comentaristas dos EUA por motivos de "Fala sério, é o Terri Crews e uma loirinha muito bacana!".


E quando não estava torcendo pelos brasileiros, geralmente estava apoiando os coreanos, apenas porque os apresentadores eram esses dois malucos que faziam "dancinha feliz" o tempo todo.

Apresentadores-comentaristas: Coreia do Sul, Alemanha, Brasil, EUA, Japão e México
Mas o que importava mesmo era zoar os alemães! hehehe.

Voltando para a competição...


O programa leva o nome Ultimate Beastmaster por causa da pista de obstáculos, que é em formato de uma besta. Seria um dragão ou uma serpente marinha, algo bem assustador.


São quatro fases em cada programa que exigem força, equilíbrio, resistência, flexibilidade e algumas outras habilidades específicas, como escalada. São provas como pular em objetos suspensos ou em movimento, cama elástica, alcançar plataformas altas, subir em tubos apertados e escorregadios, tirolesas, se locomover por cordas e outros desafios.


Em cada episódio entram 2 representantes de cada país, ou seja, 12 participantes. Cada fase vai eliminando os que se saíram pior, levando em conta a distância que o atleta conseguiu chegar, os pontos que fez (são diversos os locais em que se pode conseguir pontos extras) e o tempo que levou para percorrer. E a disputa é feroz! Teve muita gente que não conseguiu sequer chegar na segunda parte da primeira fase. No final, apenas 2 chegam à última fase, resolvida numa escalada louca com pontos que devem ser alcançados. Vence quem consegue pegar mais pontos.


Não é para qualquer um não!


São muitas as quedas, mergulhos, pancadas e decepções em todos os episódios.

Cada episódio tem um vencedor, que leva 10 mil doletas. No 10º episódio, esses vencedores se enfrentam para levar o prêmio de 50 mil doláres.

Sem troféus por participação
Ultimate Beastmaster - "Sem troféus por participação"
Não vou estragar a surpresa e dizer se o Brasil vai ou não se sair bem nessa competição. Você vai ter que assistir para ver com seus próprios olhos. Só vou dizer que é tudo muito frenético e cheio de emoção. Gostei, pulei, gritei, fiquei completamente chocada, em algumas partes decepcionada e em outras rouca de tanto gritar. É aventura sem sair do sofá!

Espero que tenha ficado curiosa e resolva dar uma chance à esse original Netflix. Por hoje é só!




Abraço apertado e beijo carinhoso;





Comente com o Facebook:

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...